RESILIÊNCIA

RESILIÊNCIA

Seguidores

SEJA BEM VINDO AO MEU BLOG. QUE ELE SEJA UM INSTRUMENTO A MAIS NA SUA APRENDIZAGEM, CONTRIBUINDO PARA A AQUISIÇÃO DE NOVOS CONHECIMENTOS.
PAZ DE JESUS EM SEU CORAÇÃO.
Se houver imagens ou textos postados aqui no blog sem as referências de origem solicito que me avisem e eu colocarei os seus devidos créditos. Obrigado pela visita e volte sempre. Desde já agradeço!

quinta-feira, 7 de março de 2019

AS BELEZAS DA NATUREZA PERTO DA GENTE







PARQUE NATURAL MUNICIPAL SALTO DO SUCURIÚ
Com área de 57 hectares e vegetação típica do cerrado, possui área para estacionamento de veículos, infraestrutura com lanchonete, banheiros, quadra de areia para prática de vôlei e futebol, quiosques próximos à piscina natural, mirantes onde podemos vislumbrar lindas cachoeiras. A prática de esportes de aventura como rapel e rafting e tirolesa é pura diversão. A exploração das trilhas propicia ao visitante um contato direto com a mata virgem, a qual apresenta uma rica biodiversidade. 
O circuito de tirolesa torna a visita ao parque municipal ainda mais inesquecível. Uma das vias com queda de 70 metros termina em um banho de piscina ( Tirolesa da Libélula), outra de 230 metros (Tirolesa do Tucano) e outra de 400 metros (Tirolesa da Andorinha) que proporciona  uma visão maravilhosa do Salto Majestoso. Tal atividade permite ao praticante a emoção de voar por vales contemplando as mais belas paisagens.
https://www.costarica.ms.gov.br/turismo/10-parque-natural-municipal-salto-do-sucuriu.html

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

VALE A PENA VIVER A VIDA !!!


A cada dia de nossa vida aprendemos com nossos erros ou nossas vitórias, mas o importante é saber que todos os dias vivemos algo novo. Que no novo mês que se inicia possamos viver intensamente cada momento com muita paz e esperança, pois a vida é uma dádiva e cada instante é uma bênção de Deus!

BOA SEMANA PARA VOCÊ!!!


quarta-feira, 7 de novembro de 2018

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS DEUSES DA MITOLOGIA INDÍGENA BRASILEIRA?


Não é apenas a cultura grega ou nórdica que crê em seres divinos. Os índios que habitam o Brasil também trazem um legado mitológico – que permanece vivo
À época da chegada dos colonizadores europeus, os mais de mil povos indígenas que viviam por aqui já tinham um rico e variado panteão de divindades, todas em estreita ligação com as forças da natureza.
Além dos tupis e dos guaranis – dois dos grupos mais importantes –, ianomâmis, araras e dezenas de outros povos deixaram um legado mitológico que permanece vivo até hoje entre os mais de 450 mil índios que habitam nosso território.
A seguir, conheça algumas dessas divindades:

Deuses tupi-guaranis

TUPÃ

Chamado de “O Espírito do Trovão”, Tupã é o grande criador dos céus, da terra e dos mares, assim como do mundo animal e vegetal. Além de ensinar aos homens a agricultura, o artesanato e a caça, concedeu aos pajés o conhecimento das plantas medicinais e dos rituais mágicos de cura.
JACI
É a deusa Lua e guardiã da noite. Protetora dos amantes e da reprodução, um de seus papéis é despertar a saudade no coração dos guerreiros e caçadores, apressando a volta para suas esposas. Filha de Tupã, Jaci é irmã-esposa de Guaraci, o deus Sol.
GUARACI
Filho de Tupã, o deus Sol auxiliou o pai na criação de todos os seres vivos. Irmão-marido de Jaci, a deusa Lua, Guaraci é o guardião das criaturas durante o dia. Na passagem da noite para o dia – o encontro entre Jaci e Guaraci –, as esposas pedem proteção para os maridos que vão caçar.
CEUCI

Protetora das lavouras e das moradias indígenas, Ceuci foi comparada pelos colonizadores católicos à Virgem Maria, por ter dado à luz de maneira milagrosa: seu filho, Jurupari – espírito guia e guardião –, nasceu do fruto da cucura-purumã (árvore que representa o bem e o mal na mitologia tupi).
ANHANGÁ
Inimigo de Tupã, Anhangá é o deus das regiões infernais, um espírito andarilho que pode tomar a forma de vários animais da selva. Apesar de ser considerado protetor dos animais e dos caçadores, é associado ao mal. Se aparece para alguém, é sinal de desgraça e mau agouro.
SUMÉ
Responsável por manter as leis e as regras, Sumé também trouxe conhecimentos como o cozimento da mandioca e suas aplicações. Em virtude da desobediência dos indígenas, Sumé um dia partiu – saiu caminhando sobre o oceano Atlântico, prometendo voltar para disciplinar os índios.
Fonte: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/quais-sao-os-principais-deuses-da-mitologia-indigena-brasileira/?fbclid=IwAR3eYIXU8pZG0Lxk1zlEswnIgfVTCkwXUxByiq8RWG87eYFFWvLbv8Lipyk

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

FOLCLORE DE MATO GROSSO DO SUL



O Folclore regional é constituído por elementos e traços culturais  de diferentes culturas que se entrelaçaram, se misturam e se harmonizaram recriando-os em novas bases. As influencias culturais  recebidas de estados vizinhos fazem com que Mato Grosso do Sul apresenta peculiaridades diferenciadas dos demais estados brasileiros, principalmente, porque somam às influencias e trocas culturais nas regiões de fronteira com o Paraguai e a Bolívia.

LENDAS, MITOS e ESTÓRIAS

             O homem pantaneiro, em sua simplicidade, acredita na lenda do mar de Xaraés, que explica ser a grande área inundada do pantanal um antigo mar que foi secando e onde sobraram somente áreas alagadas, inclusive com inúmeras baías de água salgada. O homem pantaneiro nunca perdeu o encanto mágico e acredita inclusive, que o “Arco-íris transporta, para outros lugares, os peixes e as baías do Pantanal”. Influenciados pela  dinâmica das águas, os mitos e lendas pantaneiras refletem a relação que a população aprendeu a estabelecer com a paisagem.