RESILIÊNCIA

RESILIÊNCIA

Seguidores

SEJA BEM VINDO AO MEU BLOG. QUE ELE SEJA UM INSTRUMENTO A MAIS NA SUA APRENDIZAGEM, CONTRIBUINDO PARA A AQUISIÇÃO DE NOVOS CONHECIMENTOS.
PAZ DE JESUS EM SEU CORAÇÃO.
Se houver imagens ou textos postados aqui no blog sem as referências de origem solicito que me avisem e eu colocarei os seus devidos créditos. Obrigado pela visita e volte sempre. Desde já agradeço!

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Há algo acontecendo com o mundo e estas 20 imagens provam isso

Se você não acha que o clima do nosso planeta está mudando rapidamente, abra os olhos. Essas imagens são exemplos que revelam o que está acontecendo com o nosso mundo. Todos têm direito a suas próprias opiniões, mas fatos são fatos. Mesmo que as pessoas discordem sobre exatamente por que o clima está mudando, elas devem ser capazes de reconhecer de que isso está acontecendo. 

1) Seca - Lago Powell, Arizona / Utah, EUA


quinta-feira, 21 de agosto de 2014

ALUNOS E PROFESSORES: OS TIPOS MAIS COMUNS

Quem atua no magistério há alguns anos certamente já cruzou com alguns tipos básicos de aluno. Mas existem, também, certos tipos de professor: com qual deles você se identifica? 
Qualquer adolescente que deseja aprender de verdade o faz com professores, sem professores ou apesar dos professores. Podemos observar isso no cotidiano das escolas: os alunos vão bem nas matérias que despertam seu interesse e tiram as piores notas naquelas de que não gostam. Cada um tem critérios próprios para eleger o que irá estudar. De acordo com a forma como “pegam” e “produzem” a matéria, os alunos podem ser dividido sem onze tipos:

ONZE TIPOS DE ALUNO
ESPONJA: é o aluno que absorve tudo. Anota em detalhes o que o professor fala e estuda sem fazer distinções. Come o que lhe põem à frente, oque não significa que aprendeu tudo.
 PENEIRA: utiliza uma peneira (filtro) para selecionar a parte que irá aproveitar da matéria. Ouve tudo, mas anota só o que lhe interessa. Quer saber apenas o que cai na prova.
 FUNIL: parecido com o “esponja”, represa tudo oque o professor diz para repassar em casa mais devagar, escolhendo o material a ser selecionado para estudar. É como se precisasse deixar para decidir depois, com mais calma.
 SALTEADO: aposta na sorte. Não é o “sorteado”. Como não sabe o que vai cair na prova, arrisca e estuda qualquer coisa, um capítulo, um trecho ou um tema escolhido ao acaso, na página quer abrir primeiro.
 SORTEADO: este aluno tem fé, acredita que vá cair tal ponto e estuda somente aquele. É como quem joga em determinado bicho porque sonhou com ele. Tem sempre um palpite. Quanto mais conhecer o professor ou a matéria, mais chance terá de ser “sorteado”.
 ÚLTIMA HORISTA: um tipo tradicional que só estuda na véspera da prova e faz trabalho escolar na fila de entrega. A maioria da sociedade brasileira é “última-horista”.
AUSENTE DE CORPO PRESENTE: é o estudante que aproveita a aula para organizar a agenda, fazer tarefas de outras disciplinas, desenhar, jogar batalha naval com códigos substituindo a fala, para não incomodar o professor. Prestar atenção na aula, nunca, ainda que olhe eventualmente para o professor.
 SINTONIA FINA: altamente desmotivado e desconcentrado, tem o radar ligado em sintonia fina para captar qualquer outro tema que não seja a aula.
  AUTODIDATA: não presta atenção na aula, falta muito, não se mata de estudar nem se esforça para realizar os trabalhos escolares. Na véspera da prova, pega o livro e se prepara sozinho. É o aluno autodidata, capaz de aprender por conta própria, "apesar do professor".
CHUPIM: é como o passarinho preto que bota seus ovos para o tico-tico chocar e criar. Não presta atenção nas aulas, não anota nada, nem livros tem, e na hora da prova cola de quem sabe. Sem interesse em aprender, entra nos grupos de trabalho escolar só para assinar o nome.
 ABELHA: é o aluno que trabalha faça chuva, faça sol. Sempre tem o seu mel. Se se descuidar, os “ursinhos vão roubar seu trabalho”. Dificilmente um aluno se enquadra apenas em uma característica. São vários tipos funcionando simultaneamente que, conforme o interesse do aluno pela matéria ou pelo professor, podem ser ressaltados ou encobertos. A característica final do aluno deve ser tirada pela média da frequência dos tipos usados. Mas qual é o tipo ideal? Cada um que pense conforme seus valores, pois eles têm embutidos diferentes critérios de valores pragmáticos e éticos. É importante que os professores conheçam esses tipos para que os critérios de avaliação dos alunos sejam aperfeiçoados. Não tomando alhos por bugalhos, o professor pode separar o joio do trigo.

Texto de Icami Tiba

quarta-feira, 13 de agosto de 2014